Serviço de Recuperação de Tubulações pelo Método SSWP

recuperaçãoOs tubos helicoidais de PVC podem ser utilizados nos serviços de recuperação de tubulações deterioradas através de um método denominado SSWP (Sliplining with Spirally Wound Pipes).

O método consiste basicamente na inserção de um tubo de menor diâmetro no interior da tubulação que se pretende recuperar e, em seguida, o preenchimento do espaço remanescente entre as duas tubulações com nata ou argamassa fluida (groute) para a solidarização do conjunto.

O tubo de PVC introduzido pode cumprir a função de reforço estrutural da antiga tubulação ou servir como mero revestimento impermeabilizante e protetor da tubulação original.

Trata-se de uma variante dos processos convencionais de recuperação por “inserção” de tubulações, que costumam ser designados pelo termo sliplining (slip = deslizar) + (lining = revestimento).

Características

O enrolamento helicoidal de uma tira contínua de PVC, cria um tubo tubo que vai sendo introduzido dentro da tubulação existente.
O enrolamento helicoidal é efetuado por uma máquina posicionada no interior de um poço de visita ou outro ponto de acesso existente.
À medida que o tubo vai sendo formado, os encaixes macho e fêmea existente nas bordas da tira de PVC vão sendo acoplados, criando uma junta helicoidal contínua e estanque.
O tubo de revestimento introduzido serve como forma interna e o tubo original como forma externa para o grouteamento efetuado a seguir.
O sistema pode ser projetado para resistir ao carregamento a que estava submetido o tubo original. Pode, assim, ser utilizado em aplicações onde o tubo original perdeu a capacidade de resistência estrutural.
Se a solicitação estrutural for elevada, pode-se reforçar o tubo plástico com uma tira de aço perfilada para aumentar a rigidez diametral do conjunto.
Outra característica interessante é que as nervuras em forma de “T” existentes na superfície externa dos tubos helicoidais, que normalmente servem para estruturar a parede e conferir rigidez diametral ao tubo, servem também, neste caso, para ancorar o tubo no groute que o envolverá, criando uma eficiente solidarização entre os dois materiais.

Aplicações

O método pode ser aplicado na recuperação de tubulações essencialmente retilíneas que conduzam fluidos na temperatura ambiente em regime de escoamento livre ou conduto forçado sob baixa pressão.
Pode ser utilizado em tubulações de diversos materiais, incluindo concreto, aço corrugado, ferro fundido, cimento amianto e PRFV, seja para reparar problemas hidráulicos ou estruturais.
Normalmente é aplicado na reabilitação de tubulações enterradas na faixa de diâmetro entre 400 e 1200 mm, mas pode ser utilizado para recuperar tubulações de até 2400 mm.
Entre as principais aplicações do método encontram-se a recuperação de:

  • coletores de esgoto;
  • coletores de efluentes industriais;
  • galerias de águas pluviais;
  • bueiros rodoviários e ferroviários;
  • adutoras em conduto livre ou baixa pressão.

Benefícios e Vantagens

Tecnologia não-destrutiva

É um método eficaz de reabilitação, que pode ser aplicado em uma larga faixa de diâmetros, evitando as onerosas operações de escavação e substituição das tubulações deterioradas;
A inserção de um tubo único e sem juntas permite reparar problemas hidráulicos. O tubo de revestimento impermeabiliza totalmente o coletor, eliminando qualquer chance de infiltrações e vazamentos;
Projetado em conformidade com a norma ASTM F 1697, o método permite reparar problemas estruturais nas tubulações. Diversas tiras de PVC e de aço perfilado, garantem o atendimento aos requisitos específicos de cada aplicação. Pode ser utilizado até mesmo em tubulações com alto grau de deterioração, onde chegam a faltar pedaços da tubulação, removendo o risco de colapso iminente.

Manutenção da capacidade hidráulica

O tubo de revestimento inserido possui seção circular constante e superfície interna lisa, sem dobras ou ondulações, mesmo quando as juntas do tubo original estão deslocadas ou desalinhadas;
A rugosidade interna é a mesma de um tubo termoplástico novo (n de Manning entre 0,009 e 0,010);
O diâmetro do tubo inserido é ligeiramente inferior ao da tubulação existente (de 15 a 17 % menor);
A pequena perda na seção transversal do escoamento é compensada pela diminuição na rugosidade das paredes. Desta forma, a tubulação reabilitada normalmente mantém a mesma capacidade hidráulica do tubo original.

Revestimento durável, feito com material consagrado

O tubo de revestimento é feito com o mesmo material termoplástico que os tubos de esgoto convencionais;
O PVC é um material com excelente resistência à abrasão e à corrosão, o que confere elevada durabilidade à tubulação renovada, estimando-se uma vida útil superior a 50 anos;
As propriedades do material são conhecidas e confiáveis, pois a sua resistência não depende da cura de resinas em condições incertas, nem o material é submetido a processos de aquecimento ou estiramento;
A espessura de parede é constante e a seção transversal se mantém circular ao longo de todo o comprimento do tubo;
Não ocorrem engrossamentos da parede devido ao escorrimento de resina nem afinamentos de parede em locais onde a tubulação original não oferece suporte externo;
O tubo de revestimento é produzido por um processo mecanizado e a qualidade da instalação não depende da habilidade da mão de obra.

Instalação simples e rápida

Os tubos de revestimento são produzidos no próprio local, a partir de tiras de PVC fabricadas no Brasil. Assim, não é necessário a importação de materiais nem a de pré-fabricação de revestimentos.
Os equipamentos utilizados são simples e compactos. A máquina que produz o tubo cabe dentro de um poço de visita e os demais equipamentos e materiais necessários requerem uma área mínima na superfície ao redor.
A montagem dos equipamentos é muito simples e rápida. A máquina de enrolar muitas vezes poder ser montada dentro do próprio PV utilizando-se para acesso o tampão existente. Neste caso, não é necessário remover a laje do PV e o processo pode ser executado sem qualquer escavação;
A inserção do tubo de revestimento também é uma operação simples e rápida, podendo-se alcançar velocidades da ordem de 1 metro por minuto ou mais. Como a distância entre dois poços de visita geralmente é inferior a 100 metros, o tempo de inserção raramente ultrapassa 2 ou 3 horas.

Pequeno transtorno para a comunidade

Como não é necessário armazenar longas barras de tubos na rua e não são utilizados equipamentos ou veículos de grandes dimensões, o método requer pouco espaço de trabalho na via pública. Muitas vezes nem será necessário interromper ou desviar o tráfego;
Como o processo é rápido, a eventual interrupção ou desvio do tráfego terá curta duração e o serviço pode ser realizado à noite;
A rapidez do processo reduz também o tempo da operação em “by-pass” (bloqueio da tubulação à montante e bombeamento dos efluentes para jusante) ou então o tempo em que a tubulação ficará fora de serviço, reduzindo o incômodo e o risco para a população;
Em algumas aplicações, o processo de reabilitação pode ser executado com a tubulação em serviço. Quando a vazão que escoa na tubulação é pequena, o tubo de revestimento pode ser instalado sem que seja necessária a custosa operação de “by-pass”;
O processo é rápido e silencioso, pois não utiliza caldeiras ou outros equipamentos barulhentos, causando um mínimo de incômodo à comunidade local;
Como o equipamento é instalado dentro do poço de visita, algumas vezes pelo próprio tampão de acesso, a escavação, quando necessária, será mínima. Além de reduzir os transtornos causados (ruído, sujeira, etc.) menor escavação significa maior segurança no canteiro de obras.