Notícias

A Usina Hidrelétrica Teles Pires, recentemente concluída, é a maior usina do estado de Mato Grosso e uma das maiores hidrelétricas do país. Situada entre os municípios de Paranaíta-MT e Jacareacanga-PA, possui capacidade instalada de 1.820 megawatts, energia suficiente para atender 5 milhões de pessoas. O empreendimento, incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), teve investimentos da ordem de R$ 5 bilhões, efetuados por um consórcio formado pelas empresas Neoenergia e Odebrecht  (51%), Eletrosul (24,5%) e Furnas (24,5%).
Como o rio Teles Pires possui uma elevada vazão e um desnível não muito grande, foram instaladas 5 turbinas do tipo Francis para baixas quedas d’água. De acordo com Ricardo Martins Souza Tavares, gerente de montagem eletromecânica da Odebrecht Energia, as turbinas são as maiores deste tipo instaladas no Brasil.
As turbinas foram fabricadas pela Alstom do Brasil, na unidade de Taubaté-SP, e o seu transporte até a obra envolveu uma complexa logística, num percurso de 2.400 quilômetros, com trechos terrestres, marítimos e fluviais.
Saindo de Taubaté (SP) as turbinas foram transportadas até o porto de Santos (SP), de onde seguiram de navio até Nueva Palmira no Uruguai e prosseguiram por balsa, através da hidrovia Paraguai/Paraná, até o município de Cáceres (MT). De lá, percorreram cerca de 1.100 quilômetros por rodovias, até chegarem ao canteiro de obras em Paranaíta (MT).
Segundo Adriano Fracchia, gerente de projetos da Alston, devido ao elevado peso (287 toneladas) e grandes dimensões (8,73 metros de diâmetro e 5,30 metros de altura), o transporte terrestre dos rotores teve que ser feito por veículos especiais, trafegando a uma velocidade de aproximadamente 15 Km/h: uma viga articulada, puxada por um cavalo mecânico e três cavalos Volvo, com estrutura de cerca de 90 metros de comprimento e 256 pneus. O conjunto, incluindo o veículo e o rotor, pesava 626 toneladas. Veja o veículo nas fotos e vídeos abaixo:

Aqueduto AqualocAqueduto Aqualoc

 

 

 

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=m16lYykMdks
http://www.videorest.com/video/?id=Kkoa7WEx0yY
Pra que as turbinas, os transformadores e outras peças e equipamentos pesados pudessem ser transportados com segurança até a obra, foi necessário um trabalho de readequação das estradas próximas a obra.
Para dar acesso à Usina Hidrelétrica de Teles Pires, foi construída uma estrada municipal, denominada “Rodovia da Energia”, com 29,1 quilômetros de extensão, ligando a MT-206 ao canteiro de obras. Apesar de aproveitar o traçado de alguns trechos de estradas vicinais existentes, a rodovia teve que ser totalmente adequada e/ou reconstruída. “Estamos praticamente construindo todo o trecho, no padrão DNIT e pista de rolamento com 10 metros de largura”, explicou na época Túlio Machado, Gerente Técnico da  Companhia  Hidrelétrica Teles Pires (CHTP).

Tubos de PVC aqueduto
Para melhorar a qualidade da rodovia MT-206 entre a cidade de Alta Floresta e a Rodovia da Energia, foi firmado convênio com os governos estadual e municipais para  pavimentação asfáltica dos 37 quilômetros entre Alta Floresta e Paranaíta e também para a recuperação com revestimento primário (cascalhamento) do trecho entre Paranaíta e o entroncamento de acesso ao canteiro de obras das UHE Teles Pires. O convênio contemplava ainda a construção de quatro pontes e a readequação de todo o sistema de drenagem, sinalização vertical e horizontal naqueles trechos da rodovia.
Os trabalhos ficaram ao encargo da construtora Norberto Odebrecht, que foi contratada pela Companhia Hidrelétrica Teles Pires com o objetivo de assegurar condições de segurança para tráfego pesado até o final de 2013, de modo a viabilizar o transporte das turbinas até o canteiro de obras, previsto para iniciar em dezembro daquele ano.
As obras de adequação das estradas tiveram início em março de 2013 e logo percebeu-se que os bueiros, projetados com tubos e aduelas de concreto armado, seriam um enorme gargalo no cronograma da obra.

Tubos PVC Aqueduto
O projeto previa a construção de 106 bueiros, sendo 62 simples, 33 duplos e 11 triplos. Desses 106 bueiros, 24 foram construídos em concreto, como originalmente previsto. Pelo tempo dispendido nessas obras, percebeu-se que o cronograma original seria prejudicado e a obra poderia não ficar pronta até o final de 2013.
Assim, para garantir que a estrada estivesse concluída quando por ela fossem passar as turbinas, foi necessário alterar o tipo de tubulação utilizada nas obras de drenagem. A solução mais econômica encontrada para a construção dos bueiros foi a utilização de tubos helicoidais de PVC Aqualoc®.
Para atender a demanda da obra, a Aqueduto montou, em conjunto com a empresa Drenartec, uma unidade produtiva na cidade de Paranaíta, com dois equipamentos e duas equipes de produção, que fabricaram os tubos para os 82 bueiros restantes.
Ao todo foram produzidos 3.300 metros de tubos nos diâmetros de 1000, 1200, 2000, 2500 e 3000 mm em pouco menos de 2 meses.
aq6 Rib Loc Aqueduto

 

 

 

 

 

 

Os tubos produzidos foram transportados para a obra e utilizados na construção dos bueiros e a obra pode ser concluída dentro do cronograma originalmente previsto.

Aqueduto- Aqualoc

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes consultadas:

Companhia Hidrelétrica Teles Pires
Programa de Interação e Comunicação Social
Informativos Hidrelétrica Teles Pires – 8° e 9° edição
http://www.uhetelespires.com.br/site/?p=1819#body
http://www.uhetelespires.com.br/site/?p=3182#body
http://www.uhetelespires.com.br/site/?p=2825#body
http://www.uhetelespires.com.br/site/?p=2745#body